Leitor de notícias SyFeed

Leia as suas notícias favoritas de Portugal e de outros países.
Coletamos notícias de muitas fontes porque nos preocupamos com o seu tempo.

Mais Informações
ENTRAR
Todos os itens
notícias não lidas (Usuário Demo)
Todos os itens
notícias não lidas (Usuário Demo)
Guterres manifesta tristeza pelas vítimas e diz que ONU vai ajudar
O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou tristeza pela perda de vidas e prejuízos caus
www.noticiasaominuto.com
Sismo de magnitude 6,1 atinge Nova Zelândia
Um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter atingiu hoje a Nova Zelândia, pelas 02:43 (hora em Li
www.noticiasaominuto.com
Trabalhadores da PT/Meo em protesto hoje pela defesa da empresa
Os trabalhadores da PT/Meo/Altice concentram-se hoje em Lisboa e no Porto e reúnem-se em plenário no
www.noticiasaominuto.com
Sismo: Autoridades corrigem para 149 número de vítimas mortais
As autoridades mexicanas corrigiram para 149 o número de vítimas mortais do sismo registado em vário
www.noticiasaominuto.com
Portugal regressa aos mercados para colocar até 1.750 milhões em dívida
O Estado português vai voltar hoje aos mercados com leilões de dívida a seis e 12 meses, com os quai
www.noticiasaominuto.com
Maduro diz que Donald Trump é o "novo Hitler" da política internacional
O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, classificou hoje o seu homólogo dos Estados Unidos, Donal
www.noticiasaominuto.com
México/Sismo: Os terramotos mais mortíferos a atingir o país desde 1985
www.cmjornal.pt
Uma CETA no coração da democracia
Quando os políticos levam a sério o seu dever, até um parlamento regional consegue fazer mais para regular a globalização do que a nossa orgulhosamente negligente Assembleia da República.
www.publico.pt
André Ventura foi à Quinta da Fonte, mas passou longe dos ciganos
O candidato social-democrata a Loures foi a um dos bairros mais carenciados do concelho, onde existe uma grande comunidade cigana. Com alguma polícia em redor, ouviu apenas alguns apupos.
www.publico.pt
Nova Zelândia baixa para 5,8 magnitude do sismo registado hoje
www.cmjornal.pt
O conceito liberal, “ampliado”, em aviação comercial
Quando é que as companhias de baixo custo, com o seu “espírito criativo”, nos deixam de surpreender?
www.publico.pt
Primeiro discurso de Costa na Assembleia Geral da ONU alinhado com o de Guterres
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Obama envia mensagem de condolências em espanhol
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Presidente da Venezuela expressa solidariedade e oferece ajuda
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Número de mortos sobe para 196 - Novo balanço
www.cmjornal.pt
Quarenta milhões de pessoas vítimas de escravatura moderna em 2016
Quarenta milhões de pessoas foram vítimas de ‘escravatura moderna’ no ano passado, e 152 milhões de crianças foram submetidas a trabalho infantil, segundo dados ontem divulgados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).A OIT e a fundação Walk Free, em associação com a Organização Internacional para as Migrações (OIM), divulgaram dois relatórios sobre estes fenómenos relacionados com um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) (o objetivo 8.7), no âmbito da 72.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, cujo debate geral anual hoje se iniciou na sede da organização, em Nova Iorque.Dos 40 milhões de vítimas de escravatura moderna, 25 milhões foram submetidas a trabalho forçado e 15 milhões a casamentos forçados. As mulheres e as meninas são desproporcionalmente afetadas por este flagelo, somando 29 milhões do total de pessoas afetadas pela escravatura moderna, ou seja, mais de sete em cada dez pessoas (71%).Elas constituem 99% das vítimas de trabalho forçado na indústria do sexo e 58% noutros setores, sendo também em 84% vítimas de casamentos forçados, segundo as estimativas da OIT.Estas formas de escravatura ocorrem em todas as regiões do mundo; contudo, e apesar da falta de dados em algumas áreas, são mais frequentes em África (7,6 em 1000 pessoas), seguida da Ásia e do Pacífico (6,1 em 1000 pessoas) e, por último, na Europa e Ásia Central (3,9 em cada 1000).Além do trabalho e dos casamentos forçados, a escravatura moderna engloba conceitos como tráfico humano ou exploração para pagamento de dívida, que afeta metade de todas as vítimas de trabalho forçado imposto por atores privados.Entres os números mais destacados, as agências especializadas da ONU indicaram nos relatórios que uma em cada quatro vítimas de escravatura moderna é uma criança, pelo que o repto de acabar com o trabalho infantil mantém a sua urgência.Em todo o mundo, há 152 milhões de crianças que trabalham, ou seja, uma em cada dez crianças, e metade delas, cerca de 73 milhões, fazem-no em trabalhos perigosos que põem em risco a sua saúde, segurança e desenvolvimento moral.Apesar de o trabalho infantil ter diminuído entre 2012 e 2016, fê-lo a um ritmo mais lento que em períodos anteriores: agora, caiu 16 milhões, ao passo que entre 2008 e 2012, a redução foi de 47 milhões, precisa-se nos relatórios.“Temos de mexer-nos com maior rapidez se queremos cumprir o nosso compromisso de acabar com o trabalho infantil em todas as suas formas até 2025”, admitiram as organizações.Nove em cada dez crianças sujeitas a trabalho infantil pertencem às regiões de África e Ásia-Pacífico, e um progresso em África, onde se concentram 72 milhões das crianças exploradas, representaria uma redução nos números globais.Os estudos relacionam o trabalho infantil com as situações de conflito e desastres: a incidência do fenómeno em países afetados por um conflito armado é 77% mais elevada que a média global, explicaram.Um grande número das crianças submetidas a trabalho infantil encontra-se fora do sistema educativo: no grupo entre os cinco e os 14 anos, há 36 milhões de crianças que trabalham e não estão escolarizadas, conclui o documento.O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 8.7 pretende erradicar o trabalho forçado, pôr fim à escravatura moderna e ao tráfico de pessoas e garantir a proibição e eliminação das piores formas de trabalho infantil, incluindo o recrutamento de crianças para as transformar em soldados.Os autores do estudo indicaram que os dados foram obtidos através de entrevistas presenciais a mais de 71.000 pessoas com 15 ou mais anos.
www.dnoticias.pt
Bolsa de Xangai recua 0,07% na abertura
www.cmjornal.pt
Fenprof escreve ao PM a criticar concursos e a lamentar degradação institucional
A Fenprof revelou ontem que vai escrever ao primeiro-ministro, António Costa, para criticar os problemas nos recentes concursos de professores e para lamentar o abalo no “clima de confiança” institucional, que põe em causa o diálogo e a negociação. “Hoje mesmo, a Fenprof [Federação Nacional dos Professores] irá dirigir um ofício ao primeiro-ministro, no qual descreve o sucedido, que lamenta, considerando que esta situação abala, ainda mais, um clima de confiança que tem vindo a deteriorar-se, o que não é bom para o futuro relacionamento institucional, pois vem sendo posto em causa o clima de diálogo e negociação tantas vezes referido pelo próprio primeiro-ministro”, refere o comunicado da estrutura sindical hoje divulgado. Em causa, para a Fenprof, estão não só os recursos hierárquicos dos professores que contestam ter sido excluídos do concurso de vinculação extraordinária, como a demora na apreciação dos pedidos de mobilidade por doença, ou os problemas do concurso da mobilidade interna, para os quais o Ministério da Educação (ME) apresentou na passada sexta-feira aos jornalistas uma solução que não revelou aos sindicatos no decurso das reuniões que teve com as estruturas nesse mesmo dia. “A Fenprof não pode deixar passar em claro a forma como os responsáveis do ME agiram neste processo, designadamente no passado dia 15, negando a possibilidade de a sua decisão ser apresentada e discutida na reunião que se realizou”, criticou a federação. O ME anunciou na sexta-feira que no próximo ano os professores que não ficaram satisfeitos com a sua colocação no concurso de mobilidade interna deste ano vão poder concorrer num procedimento extraordinário.“Uma não-solução, pois o anunciado não resolve o problema imediato e nada garante em relação ao próximo ano, pois tudo dependerá de existirem, ou não, horários disponíveis. Ou seja, o problema continua por resolver”, defendeu a Fenprof. Este ano, ao contrário de anos anteriores, o ME não levou a concurso na mobilidade interna horários incompletos, limitando o universo de horários e de escolas a que os professores dos quadros se podiam candidatar no concurso que serve para permitir aos docentes aproximações à sua zona de residência.Em consequência disso, os professores ficaram colocados em escolas distantes e viram outros colegas menos graduados a serem colocados nesses lugares, que só ficaram disponíveis em fases posteriores dos concursos de professores. A solução apresentada pela tutela adia a eventual resolução do problema para o próximo ano e pode não permitir a colocação dos professores nos horários a que inicialmente esperavam poder ter concorrido, uma vez que só irão ao concurso de mobilidade interna extraordinário os horários disponíveis.Os professores que estão satisfeitos com a colocação que obtiveram este ano não serão obrigados a candidatar-se no próximo ano, o que significa que os lugares que ocupam não vão a concurso.
www.dnoticias.pt
Ladrão chama polícia durante assalto
Homem ficou trancado dentro de edifício que ia roubar.
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Pelo menos 139 mortos - novo balanço
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Pelo menos 138 mortos - novo balanço
www.cmjornal.pt
México/Sismo: Guterres manifesta tristeza pelas vítimas e diz que ONU está pronta para ajudar
www.cmjornal.pt
Juiz federal aceita mais uma queixa de corrupção contra Lula da Silva
Segundo esta queixa, Lula editou, em troca de alegados subornos, uma medida legislativa para favorecer empresas.
www.cmjornal.pt
Criança conduz Maserati na China
Proeza ao volante foi incentivada pelo próprio pai.
www.cmjornal.pt
Sismo de magnitude 6,1 atinge Nova Zelândia
Não foram divulgadas informações sobre eventuais vítimas ou danos.
www.cmjornal.pt
Alojamento Local com impacto de 1.660 ME na economia da Área Metropolitana de Lisboa em 2016
O impacto do Alojamento Local (AL) na economia da Área Metropolitana de Lisboa (AML) superou os 1.660 milhões de euros, representando 1% do PIB gerado nesta região, de acordo com um estudo ontem divulgado.O estudo “Qual o impacto económico do Alojamento Local na Região de Lisboa” foi encomendado pela Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) ao ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa e segue-se a um outro apresentado a 03 de março, segundo o qual a maioria das unidades de AL disponíveis na zona de Lisboa resultaram de imóveis desocupados, mas 19% do total estavam arrendados antes de serem convertidos ao turismo.De acordo com o estudo, em 2016 o AL teve um impacto de 1.664,7 milhões de euros na economia da região, revelou o estudo, salientando que 2016 foi um ano atípico, porque foi um ano de legalização de muitos dos AL já existentes, devido a alterações legislativas, afirmou Hélia Pereira, do ISCTE, que apresentou as conclusões do estudo.Este resultado advém de um impacto direto de 285,9 milhões de euros, do alojamento e outras prestações de serviços, de um impacto indireto de 549,6 milhões, relativo aos gastos pelos turistas em AL, e de um impacto induzido de 829,8 milhões, considerando o efeito multiplicador na economia e nos setores a montante e gastos de colaboradores.“Considerando o somatório dos seus benefícios diretos e indiretos, o peso do AL no Turismo da AML em 2016 foi de 18,3%, representando 1% do PIB gerado nesta região”, é acrescentado no estudo.No ano passado, o AL aumentou em 95% o número de unidades abertas, resultando num incremento de 75% na capacidade de alojamento face ao ano anterior.O AL foi no ano passado responsável pela criação de 5.706 postos de trabalho diretos e 13.439 indiretos, tendo pago 51,4 milhões de euros em salários e retribuições.O estudo aponta ainda estimativas a pensar em 2020, caso a conjuntura atual se mantenha, com base na opinião e em dados de especialistas.No cenário base, as estimativas permitem apontar que em 2020 o impacto económico do AL será de 3.735 milhões de euros, na melhor das hipóteses de 4.120,8 milhões de euros e no pior cenário 2.705,8 milhões de euros.Neste cenário base, a contribuição do AL para o PIB deverá atingir os 1.461,1 milhões de euros, ser responsável por mais de 42 mil empregos, 12.665 dos quais de forma direta.O estudo foi desenvolvido no âmbito do programa Quality, que procura valorizar e qualificar o AL, nos 18 concelhos da AML: Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.
www.dnoticias.pt
Candidato pela CDU e PSD em Baião vai sair da lista social-democrata
José Soares Alves diz que se tratou de "um equívoco" e justificou a situação com a falta de experiência política.
www.publico.pt
Médicos ponderam semanas de greves rotativas
Greves rotativas pelo país, uma paralisação nacional e uma concentração em Lisboa são algumas das formas de luta que os médicos ponderam para a segunda semana de outubro.
www.jn.pt
Maduro diz que Donald Trump é o "novo Hitler"
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, classificou o seu homólogo dos Estados Unidos, Donald Trump, como o "novo Hitler" da política internacional.
www.jn.pt
Theresa May quer pagar 20 mil milhões pela saída da UE
A primeira-ministra britânica, Theresa May, vai propor pagar 20 mil milhões de euros para saldar a separação entre o Reino Unido e a União Europeia.
www.jn.pt
15 mil pessoas retiradas de Puebla por medo de derrocadas
Cerca de 15 mil pessoas foram retiradas do centro da cidade de Puebla devido ao perigo de derrocadas posteriores ao sismo de 7,1 na escala de Richter, que sacudiu o centro do México.
www.jn.pt
"O artigo 155.º já está a ser aplicado veladamente e sem garantias na Catalunha"
Professora de Direito diz que intervenção económica do governo de Madrid na Generalitat não tem fundamento legal
http://www.dn.pt/
"Os alemães vão ter de se habituar à extrema-direita"
Jacques Schuster é editor de política nacional e comentador principal do Die Welt. Trabalha neste jornal há 19 anos. Já passou pelas publicações Frankfurter Allgemeine Zeitung, Süddeutsche Zeitung, Tagesspiegel e Die Woche.
http://www.dn.pt/
Eleição para provedor de Justiça, ERC e fiscalização das “secretas” a 13 de Outubro
A eleição, pelo parlamento, do provedor de Justiça, do conselho de fiscalização das “secretas” e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) foi ontem agendada para 13 de outubro.Estas escolhas obrigam a um acordo entre os dois maiores partidos, PS e PSD, o que não foi ainda possível desde há meses, dado que a eleição faz-se por dois terços dos deputados. O agendamento foi feito pela conferência de líderes, hoje ao fim da manhã, na Assembleia da República, em Lisboa.Além do provedor de Justiça, da ERC e do presidente do Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República (CFSIRP), os deputados devem ainda eleger membros da Comissão Nacional de Proteção de Dados. O Conselho Nacional de Educação (CNE) é eleito por maioria absoluta de votos. O Conselho de Fiscalização da Base de Dados de ADN é eleito por método de Hondt, o mesmo acontecendo com a comissão de proteção de dados. O debate do primeiro-ministro no parlamento perde, até novembro, a sua periodicidade quinzenal devido à discussão do Orçamento do Estado de 2018. Assim, e antes do interregno desse mês, António Costa vai ainda responder aos deputados a 12 de outubro, na véspera de ser entregue o Orçamento do Estado. No dia seguinte, e além da entrega do OE2018, o plenário vai ainda debater a reapreciação do decreto-lei sobre a Carris, vetado pelo Presidente da República, em agosto.Em discussão estarão igualmente três relatórios -- o de Segurança Interna de 2016, o da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos e outro sobre a igualdade de oportunidades no trabalho entre homens e mulheres.O calendário parlamentar foi ajustado devido ao feriado do 05 de Outubro, antecipando-se as sessões plenárias para os dias 02 e 03 de outubro.Até essa data, a Assembleia da República suspende os seus trabalhos devido à campanha eleitoral das autárquicas de 01 de outubro. Nos dois dias, 02 e 03 de outubro, estão agendados projetos do PSD sobre o sistema de informação cadastral simplificado, a reapreciação parlamentar do Bloco sobre o mesmo tema a outra, do CDS, acerca do Rendimento Social de Inserção.Para dia 03 está prevista a discussão de uma resolução do PCP em que recomenda o aumento do salário mínimo nacional para 600 euros já em 2018.
www.dnoticias.pt
Meta para ter mais 600 polícias nas ruas ficou a menos de metade
Fechar messes ou dar a sua exploração a empresas era a ideia da ministra para transferir para funções operacionais os polícias.
http://www.dn.pt/
Donald Trump oferece apoio a mexicanos afetados por sismo
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manifestou apoio aos mexicanos afetados pelo sismo de magnitude 7,1 registado em vários Estados do México.
www.jn.pt
Governo português apresentou condolências ao Presidente mexicano
O Governo português já enviou as suas condolências ao Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, pela ocorrência de mais um sismo que já fez mais de uma centena de mortos.
observador.pt
Embaixada portuguesa sem notícia de vítimas portuguesas após sismo
O embaixador português no México disse que não há, "até agora", notícia de portugueses entre as vítimas do sismo de magnitude 7,1 registado naquele país, que causou "imensos estragos".
www.jn.pt
Dois quintos das empresas prevêem contratar mais trabalhadores no próximo ano
Em linha com o corrente ano, 40% das empresas inquiridas pela Mercer prevêem aumentar o número de trabalhadores em 2018. Também numa lógica de continuidade, os salários devem subir 2%.
observador.pt
Gestores de topo com maiores aumentos em 2018
Empresas prevêem aumentos de 2% em 2018, mas serão mais generosas com lugares de topo. Centrais contra política que beneficia quem já ganha mais
http://www.dn.pt/
Ryanair oferece 12 mil euros a comandantes para voarem nas folgas
Empresa enviou documento a tripulantes pedindo para não gozarem férias. Para minimizar impacte de cancelamentos de voos
http://www.dn.pt/
Demências e Alzheimer são "pandemia silenciosa"
Estilos de vida saudáveis previnem demências, alerta responsável da OMS. Ministro da Saúde promete "estratégia integrada"
http://www.dn.pt/
Militares com formação comum para fazerem segurança dos paióis
Medidas aprovadas pelo ministro Azeredo Lopes obrigam os ramos das Forças Armadas a aprofundar políticas de atuação comum.
http://www.dn.pt/
Casa de Tony Carreira à venda por 1,1 milhões de euros
Moradia junto à Quinta do Lago tem piscina, ginásio e garrafeira.
www.cmjornal.pt
Sócrates mete Vara na Caixa para financiar Vale do Lobo
Ex-administrador da CGD ouviu procuradores acusarem-no de ser homem de mão do ex-primeiro ministro.
www.cmjornal.pt
"Ficámos com a ideia e a vontade de voltar"
Carlão diz que não vai comentar as críticas brasileiras - nem as boas, nem as más - à sua atuação no Brasil.
www.cmjornal.pt
Bebé de oito meses com medo da mãe
Brincadeira com máscara deixa criança em pânico.
www.cmjornal.pt
Poupança no Sporting só dá para empate
Jorge Jesus procedeu a uma revolução na equipa, fazendo descansar os habituais titulares.
www.cmjornal.pt